Associação Nacional e Internacional de Imprensa - ANI
+55 21 99653-0259 | anicomunicacao@gmail.com | @anibrpress
Rua Santa Luzia, 776 Gr. 903 | Rio de Janeiro / RJ - BRASIL

Copyright © ANIBRASIL.ORG.BR - 2015-2018 - All rights reserved.

Editor: Roberto Monteiro Pinho

“O mal que se faz a um se faz a todos” Nota Pública

“O mal que se faz a um se faz a todos”

A Diretoria Executiva da Associação Nacional e Internacional de Imprensa – ANI, por meio da sua Coordenadoria de Comissões, e da sua Comissão de Liberdade de Imprensa, Expressão e Direitos Humanos – CDLIEDH na qualidade de guardiã da legalidade e cumprindo seu papel em prol da cidadania e da proteção a pessoa humana, vem a público manifestar-se de forma veemente sua total indignação quanto ao ato de violência com agressões e truculência contra jornalistas e fotógrafos que registravam no dia 6 de julho, cenas de violência contra passageiros do metrô, na cidade do Rio de Janeiro.

Tal investida fere frontalmente a Carta de 88 em seu art. 5° e dos Direitos Humanos em seu Artigo 19.° - “Todos têm o direito à liberdade de opinião e de expressão. Este direito inclui a liberdade para ter opiniões sem interferência e para procurar, receber e dar informação e ideias através de qualquer meio de comunicação e sem importar as fronteiras.

É de conhecimento público eis que derivado da ampla circulação nos meios sociais e na imprensa, tamanha a sordidez, desumanidade e crueldade, em que submeteram um grupo de profissionais, os agressores devem ser punidos na melhor forma de justiça. Com profunda indignação, a ANI, endossa as palavras de todos aqueles que se postaram a favor da Liberdade de Imprensa. Sendo essa a segunda instituição com o maior índice de aprovação da sociedade, “o mal que se faz a um se faz a todos”.

 

Dessa forma, reitera as autoridades policiais, a justiça e a punição dos culpados, tudo no seu mais alto louvor da verdade. A sociedade aqui representada por essa instituição de jornalistas e comunicadores reitera seu compromisso, em se manter sempre vigilante contra atos de violação dos direitos humanos.

Por ser de relevância a sua participação, designa sua Comissão de Defesa da Liberdade de Imprensa, Expressão e Direitos Humanos – CDLIEDH, para acompanhar e divulgar aquilo que se achar relevante, e todo processo do caso.

Rio de Janeiro, 06 de julho de 2016

Roberto Monteiro Pinho
Presidente

Please reload

Posts Em Destaque

CASO CEDAE: A ÁGUA QUE MATA

January 21, 2020

1/10
Please reload

Posts Recentes
Please reload