Associação Nacional e Internacional de Imprensa - ANI
+55 21 99653-0259 | anicomunicacao@gmail.com | @anibrpress
Rua Santa Luzia, 776 Gr. 903 | Rio de Janeiro / RJ - BRASIL

Copyright © ANIBRASIL.ORG.BR - 2015-2018 - All rights reserved.

Editor: Roberto Monteiro Pinho

Brasil realiza Olimpíada de exuberante colorido, e sensibiliza o mundo com arte, simpatia e paz. Participação da ANI é elogiada pelo COI

August 22, 2016

 Foto: Tiago Santos


(ANIPress)

Encerramento empolgante consolida um trabalho criticado que se superou com a criatividade. Havia uma expectativa de ocorrências que afetassem a segurança da população, e de que uma desorganização se desenhava na fase pré-Olimpíada.
 

Do show de abertura ao encerramento, a imprensa internacional, estampou manchetes elogiosas e consagrou a imagem do país, como se a superação foi decisiva para realizar o maior evento esportivo do planeta.
 

Logo após a Abertura Oficial, as manifestações coalharam as redes sociais: "Não sei quanto a você, mas nós estamos bastante impressionados com a festa de abertura do Rio-2016. Uau!", exaltou no Twitter a inglesa BBC. Para a Gazzetta dello Sport, a parte inicial da cerimônia foi "intensa" e ajudou a "afastar medos e tensões no templo do futebol". O espanhol Marca falou num "tremendo espetáculo de luzes e sons em que brilhou a beleza de Gisele Bündchen. "O Rio vibrou com uma festa repleta de música, cores e esporte. Foi um início à altura da Cidade Maravilhosa. Houve ritmo e beleza a cada passo no mítico palco do Maracanã", estampou a capa da edição digital do Clarín. (texto original do correspondente Rodrigo Gini).
 

Seleção Olímpica - A imprensa estrangeira repercutiu a vitória brasileira nos pênaltis contra a Alemanha, no estádio do Maracanã, no Rio, na final olímpica do torneio masculino de futebol, e destacou que ela serviu de “revanche” e para o Brasil “exorcizar” a derrota humilhante diante da própria Alemanha nas semifinais da Copa do Mundo de 2014.
 

O jornal “New York Times” lembrou que a goleada de 7 a 1 sofrida para os alemães, pelas semifinais da Copa de 2014, em Belo Horizonte, ainda estava entalada na garganta da torcida brasileira.  “O Brasil é cinco vezes campeão da Copa do Mundo e que nunca havia conquistado uma medalha de ouro antes.
 

O francês “Le Monde” foi outro jornal que tratou a conquista brasileira como vingança das semifinais da Copa de 2014. O periódico destacou que, apesar do suspense, desta vez a partida teve um “desfecho feliz para o Brasil”. O “Le Monde” citou ainda que o ouro olímpico era um título que faltava ao futebol brasileiro.
 

Para o inglês “The Guardian”, a vitória nos pênaltis por 5 a 4, após empate por 1 a 1 no tempo normal e na prorrogação, serviu para o Brasil “exorcizar” a derrota humilhante para os alemães nas semifinais da Copa, uma “ferida” que ainda não havia cicatrizado. O jornal argentino “Clarín” também viu a conquista como uma espécie de vingança: “Com a angústia engasgada, com os nervos à flor da pele, com uma mistura de alívio, vingança e orgulho, a seleção brasileira de futebol conquistou pela primeira vez a medalha de ouro nos Jogos Olímpicos.” (AG)
 

Participação da ANI - Elogios e agradecimentos não faltaram para os dirigentes do COI, em referência a participação inédita de uma entidade associativa de profissionais de imprensa nas Olimpíadas. Foram dias de intensa participação, cobrindo eventos simultâneos em áreas distantes uma da outra.
 

Os fotojornalistas e repórteres editaram conteúdo para mais de cem veículos de comunicação no planeta. As redes sociais foram abastecidas com conteúdo e fotos alusivos aos acontecimentos. A solenidade de encerramento foi um sucesso, que a ANI teve a satisfação de participar com 41 profissionais inscritos, informou durante gravação de entrevista na área de acesso a loja de produtos Drugstore do COI no Posto 4 da Praia de Copacabana informou o presidente da entidade o jornalista Roberto Monteiro Pinho.
 

“As redes sociais e os blogs foram os veículos que comandaram a festa da comunicação do maior evento esportivo do planeta. Os que ainda adormecem num passado dissimulado e distante da nova ordem global, estão soterrados em suas próprias mesmices, adormecem em seus mausoléus. O jornalismo é digital e veloz, e nos da ANI estamos focados neste importante marco”, alerta o dirigente. (ANIPress)

Please reload

Posts Em Destaque

CASO CEDAE: A ÁGUA QUE MATA

January 21, 2020

1/10
Please reload

Posts Recentes
Please reload